A Escalada da Montanha e o Treinamento em altitude

Fala galera.

Eu juntamente com minha equipe da LD Sports produzimos esta pequena matéria sobre o que é, e porque estou indo para um treinamento em altitude.

DSC_0638

 

 

cidade de Flagstaff
Cidade de Flagstaff

 

mapa flagstaff

Ontem a noite embarquei em são Paulo para Flagstaff, Arizona – Estados Unidos, junto com alguns outros atletas da Seleção Brasileira de Natação para o nosso treinamento em altitude. Vamos passar 21 dias num centro de treinamento na busca de alta performace, e, por isso, pagamos um preço alto fisiologicamente.

E por que o treinamento em altitude é tão importante para atletas de fundo e meio fundo, ou seja de endurance?

Nosso organismo foi concebido para viver, idealmente, ao nível médio do mar (1 atm), mas com o passar dos anos e a evolução do homem e a sua capacidade de adaptação, sociedades foram se formando em diversos lugares no mundo com características climáticas e geografia diversa.

Quando subimos para treinar em altitude a primeira variável afetada é a quantidade de oxigênio que é diminuida, e ponto principal para um atleta. Isso porque é o oxigênio que faz o músculo realizar o trabalho de força. Lá em cima, nossa hipófise (glândula que equilibra a função hormonal) dá uma chamada no nosso organismo, “Ei, o ar por aqui está rarefeito (com pouco oxigênio), e, sendo assim, vamos tratar de produzir mais hemoglobina (célula do sangue) para compensar esta perda”, pois é a hemoglobina quem transporta o oxigênio.

Além do mais, com a pressão atmosférica menor as moléculas ficam mais espalhadas e quando respiramos precisamos de mais hemoglobina no sangue para que elas carreguem o máximo de oxigênio possível. Numa situação de pouco oxigênio, o corpo rapidamente se ajusta à nova condição e se comporta assim para suprimir a necessidade cardiovascular. Nos primeiros dias de treino, nós atletas podemos sentir muito essa diferença, ficamos mais desgastados, exaustos. Além disso, tem a questão da pouca quantidade de água, e também a diminuição do nosso apetite.

Em altitude também ocorre uma maior decomposição do Glicogênio Muscular, e para minimizar este efeito, precisamos então incrementar de forma efetiva a alimentação no que diz respeito ao consumo de carboidrato, porque são fontes de energia muito econômica e requerem menor quantidade de oxigênio que as gorduras para a produção de energia. Como já dissemos, em altitude perdemos o apetite.

O resultado de tudo isso, é o aumento do estresse oxidadativo que é aumentado em grandes altitudes. Como compensação, devemos buscar a suplementação de vitaminas o que pode prevenir a provável diminuição do desempenho físico, associado ao dano provocado pelos Radicas Livres – RL – aos sistemas de defesa celular.

Com relação à quantidade de água no nosso organismo a desidratação também aumenta devido a redução da umidade relativa do ar, e a diurese que nas primeiras horas aumenta, assim como a ventilação pulmonar e por isso, precisamos ingerir mais líquido, sendo uma medida a mais sendo de 3 a 5 litros por dia, além de que o refrigerante tem que ser evitado.

E o que acontece quando voltamos para o nível médio do mar?

Nossa capacidade física e resistência aumentam, pois temos mais hemoglobina e, consequentemente, mais oxigênio transferido para nossos músculos, o que proporciona maior capacidade de esforço. Quando subimos a montanha, nossa hipófise procura se adaptar rapidamente, pois é uma questão de sobrevivência. Quando descemos, esse processo é mais lento e a readaptação acontece aproximadamente entre 15 a 30 dias.

O trabalho em altitude é um assunto complexo, e deve sempre ser acompanhado por um médico fisiologista e suportado pela nutrição adequada, além do descanso necessário. Esperamos  que vocês tenham conseguido entender um pouquinho a importância de um treinamento em altitude e o resultado positivo que ele agrega ao trabalho. É importante lembrar que quando subimos, estamos em situação adversa para o nosso organismo, então a imunidade acaba caindo, por isso temos que cuidar de nossa saúde e ter uma alimentação adequada para esse novo ambiente, além do descanso necessário.

Por fim, o treinamento em altitude é essencial para o trabalho na natação, principalmente para atletas de provas de fundo e meio-fundo, pois conseguimos sentir a diferença na hora que estamos nadando e principalmente no final de prova. Sem contar que quando estamos nestes grandes centros especializados, ficamos mais concentrados e ainda temos equipamentos, softwares e aparelhos de avaliação que contribuem muito para melhorar a técnica.

Piscina do Centro de Treinamento em Flagstaff
Piscina do Centro de Treinamento em Flagstaff

No regresso, estaremos há apenas 1 mês do Pan Pacific, porém terei muito trabalho ainda pela frente. E nós iremos mantendo vocês informados com fotos, vídeos e dicas dos treinamentos e o que o Leo está fazendo por lá.

Bom galera, é isso aí, abração

Leo de Deus e equipe LD Sports.

 

About the Author

By leogdeus / Administrator on Jul 01, 2014

Comment (1)

Leave a Reply